TOPO

GOTA: UM RISCO QUANDO TEM EXCESSO DE ÁCIDO ÚRICO NO SANGUE Gota: um risco quando tem excesso de ácido úrico no sangue A importância das vacinas em pessoas com doenças reumáticas A importância das vacinas em pessoas com doenças reumáticas Sofre de gota?
Conheça os alimentos proibidos e os permitidos.

A minha doença

A gota úrica, habitualmente conhecida apenas como gota, é uma doença causada por

Os meus tratamentos

A maior propensão para infeções nas pessoas com doença reumática deve-se tanto

O meu trabalho

Se está a ler este artigo sentado, repare na sua postura. Está

As doenças reumáticas afetam a vida a vários níveis, pelo que também

O meu bem-estar

O poder da água é quase ilimitado e há séculos que é

A espondilite anquilosante e a espondilartrite axial são a mesma doença?

A espondilite anquilosante e a espondilartrite axial pertencem à mesma entidade clínica. Atualmente é utilizada a designação de espondilartrite axial.
A noção atual do conceito de espondilartrite axial permite não só incluir os doentes com alterações das articulações sacroilíacas nas radiografias, mas também aqueles que têm manifestações clínicas semelhantes, mas ainda sem alterações radiográficas – a chamada espondilartrite axial não radiográfica. Uma grande parte destes doentes apresenta alterações na ressonância magnética das sacroilíacas. Este novo conceito permite que o diagnóstico seja feito mais precocemente.

A fibromialgia é uma doença autoimune?

A fibromialgia é uma doença crónica que se caracteriza por dor músculo-esquelética generalizada, muitas vezes migratória, e também por fadiga. Os doentes podem apresentar ainda sensibilidade aumentada a uma variedade de estímulos que podem causar dor e desconforto, como, por exemplo, o esforço, o stress ou os ruídos. À luz do conhecimento científico atual, a síndrome fibromiálgica não é uma doença autoimune. Para mais esclarecimentos, sugerimos que consulte um reumatologista.

Como deve ser a minha postura quando estou a trabalhar?

A má postura é um problema comum a muitas pessoas e resulta da adoção de posições pouco naturais para a coluna vertebral por longos períodos de tempo, em tarefas que fazemos diariamente e que podem levar a vários problemas de saúde.
No trabalho, ajuste a altura da cadeira ao nível da secretária para estar mais próximo desta e para descansar antebraços e cotovelos na cadeira ou na secretária, mantendo os ombros relaxados. Se a cadeira for giratória, não rodar a cintura, mas sim a cadeira! Não cruzar as pernas e evite estar mais de 30 minutos na mesma posição. Sempre que se levantar, use as pernas e evite inclinar-se para a frente.

Como marcar consulta para um reumatologista?

Sugerimos que consulte o seu médico de família que o poderá orientar para uma consulta hospitalar de Reumatologia na sua área de residência, contudo o seu médico assistente pode enviar para qualquer consulta de reumatologia dentro do SNS de acordo com a sua legislação. Pode ainda consultar o site da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (spreumatologia.pt), onde encontrará discriminados todos os serviços de Reumatologia, por área geográfica, bem como os reumatologistas que neles trabalham.

Porque existem poucos médicos reumatologistas?

A razão pela qual não existem mais reumatologistas colocados em Hospitais do Sistema Nacional de Saúde (SNS) relaciona-se, acima de tudo, com a não abertura de vagas para contratação de especialistas de reumatologia e a não abertura por parte dos hospitais de serviços de Reumatologia mesmo estando eles previstos pelo ministério da saúde.
A SPR tem procurado sensibilizar as entidades governamentais responsáveis pela contratação de médicos no SNS para o enorme impacto das doenças reumáticas na qualidade de vida da população portuguesa e para a importância do acesso a cuidados desta especialidade de forma universal.

Como posso saber qual o meu grau de incapacidade?

Para avaliar o seu grau de incapacidade deve dirigir-se a uma entidade competente, como são as administrações Regionais de Saúde, os Centros de Saúde ou, ainda, a Associação de Deficientes das Forças Armadas (para militares), para lhe fazerem exames e, se for o caso, passarem-lhe um atestado médico de incapacidade multiuso (que indica a percentagem da invalidez).