TOPO
Fibromialgia: como viver com dores e noites mal dormidas

Fibromialgia: como viver com dores e noites mal dormidas

A Fibromialgia é uma doença caraterizada por dor músculo-esquelética generalizada, geralmente acompanhada de cansaço extremo, distúrbios do sono, dores de cabeça, entre outros sintomas. Apesar de não ter cura, a qualidade de vida do doente pode melhorar se houver um tratamento adequado e adaptado à sua situação.

A fibromialgia afeta a qualidade de vida do doente e da sua família, não apenas pela incapacidade  funcional que causa, mas também pelo impacto emocional negativo que acarreta. 

Trata-se de uma doença crónica com sintomas variados e que podem evoluir de forma oscilante. A remissão é rara, mas com tratamento adequado pode-se alcançar benefícios ao nível da dor e da fadiga.

Fatores ambientais como alterações metereológica, alterações hormonais, stress, depressão, ansiedade ou esforços/traumas físicos, podem agravar os sintomas.

Os doentes com fibromialgia devem seguir algumas medidas diárias: realizar curtos períodos de repouso e relaxamento ao longo do dia, de forma a reduzir o stress e a fadiga; evitar situações de conflito; tentar deitar-se e acordar sempre à mesma hora, permitindo a recuperação física e mental do corpo; realizar exercício físico de forma regular e continuada- poderá ser difícil no início, mas irá diminuir a dor e a fadiga -; e recorrer a banhos quentes para relaxar e aliviar a dor.

São igualmente importantes os alimentos ricos em cálcio e em magnésio – como couves, agrião, laticínios, feijão, lentilhas ou espinafres – pois melhoram a contração muscular e a transmissão dos impulsos nervosos. A par disto, as fontes de triptofano aumentam a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar. São exemplos destas fontes as carnes magras, peixe, iogurte desnatado, leguminosas, damasco e açaí.

A fibromialgia não tem cura, mas a inclusão destas medidas no dia a dia e o acompanhamento dos doentes por um médico especialista é essencial, já que permite o controlo da doença e possibilita uma melhoria significativa da sua qualidade de vida.

Sabia que…

… A fibromialgia é mais comum em mulheres, com idades geralmente entre os 35 e os 50 anos, e representa um grande impacto no bem-estar, na qualidade de vida e no seu desempenho profissional.

… Historicamente a Fibromialgia tem sido apresentada sob vários nomes ao longo dos anos: Fibrosite (1904), Miofibrosite (1929), Síndrome Fibrosítica (1952), Síndrome Fibromiálgica, entre outros. A designação Fibromialgia foi adotada a partir de 1976.

Inserir Comentário