TOPO
Osteoartrose

Osteoartrose, a principal causa de dor crónica

A osteoartrose, também chamada de artrose, é a patologia reumatológica mais prevalente e é a principal causa de dor crónica, contribuindo para situações de incapacidade no dia a dia, tais como agarrar objetos, subir degraus, caminhar ou trabalhar. Saiba mais sobre esta doença neste artigo.

A superfície dos ossos que se articulam é revestida de cartilagem, que é um tecido elástico produzido por células que se designam de condrócitos. Nas articulações existe um espaço entre as extremidades ósseas, o espaço interarticular, que contém um líquido transparente e viscoso responsável por lubrificar e nutrir a cartilagem articular.

A cartilagem tem um papel muito importante, pois diminui o atrito e o impacto na articulação e facilita o deslizamento das extremidades ósseas durante os movimentos. Na osteoartrose, ocorre lesão e degradação da cartilagem, o que gradualmente torna o espaço interarticular mais reduzido e faz com que as superfícies ósseas friccionem entre si.

Por sua vez, a zona articular do osso imediatamente por baixo da cartilagem (osso subcondral) acaba por espessar (processo de esclerose), podendo desenvolver formações ósseas periféricas, os osteófitos (vulgarmente conhecidos como “bicos de papagaio”) e quistos ósseos subcondrais.

Este desgaste é desencadeado pelas cargas e forças a que sujeitamos repetidamente as nossas articulações, particularmente aquelas que suportam grande parte do nosso peso, como as ancas ou os joelhos.

Se uma articulação tiver alguma fragilidade ou dano, pode desenvolver mais facilmente osteoartrose, mas uma articulação saudável, caso exposta a carga excessiva, corre igualmente o risco de ser afetada.

Existem determinados fatores de risco conhecidos para a osteoartrose, nomeadamente a idade mais avançada, obesidade, lesão articular prévia (ex. trauma, cirurgia articular), genética, uso repetido da articulação, posturas incorretas e alterações anatómicas (ex. anomalia da morfologia articular ou do alinhamento articular).

Como se manifesta

Numa fase precoce, o doente é assintomático. Contudo, com o deterioramento sucessivo, o principal sintoma é a dor na articulação afetada. Inicialmente, os episódios de dor são menos graves e relacionam-se com o movimento. Com a progressão da doença, a dor pode aumentar de intensidade, duração e frequência e podem surgir:

–  Rigidez articular de curta duração (< 30 minutos);

–  Limitação nos movimentos;

– Crepitação nos movimentos (sensação de “ranger” ou “roçar”);

– Deformidade, numa fase mais avançada. Na maior parte das vezes, a evolução da doença é lenta ao longo de anos, mas, em casos mais raros, poderá ser rápida e instalar-se em meses.

O tratamento da osteoartrose envolve medidas tanto farmacológicas como não farmacológicas que visam a melhoria dos sintomas.

Sabia que…

…A osteoartrose surge, sobretudo, numa idade avançada, afetando uma grande percentagem dos indivíduos com mais de 65 anos. É mais frequente em pessoas de raça caucasiana e as mulheres são mais afetadas do que os homens.

… Segundo o EpiReumaPt, o maior estudo nacional desenvolvido para traçar o panorama epidemiológico das doenças reumáticas, dentro das doenças reumáticas destaca-se a osteoartrose (OA). Em primeiro lugar, com uma incidência de 12,4%, encontra-se a OA do joelho, seguindo-se, com 8,7%, a OA da anca e, por fim, a OA da mão com 2,9%.

Inserir Comentário