TOPO
Uma em cada mil crianças pode desenvolver Artrite Idiopática Juvenil, que causa inflamação nas articulações e que atinge em maior número as meninas. Saiba quais são os sinais de alerta e o que pode fazer para ajudar o seu filho ou a sua filha a viver com a doença. Uma doença reumática crónica na criança ou no adolescente pode ser uma surpresa para os pais, para os amigos e para os professores. Ao contrário do que se pensa, as doenças reumáticas da infância podem surgir muito cedo, inclusivamente mesmo antes do primeiro ano de vida. De entre as diversas doenças reumáticas crónicas existentes nas crianças, a mais frequente é a Artrite Idiopática Juvenil (AIJ), que atinge 1 em cada 1000 crianças em idade escolar. A principal manifestação clínica é a artrite, que é caracterizada por dor, inchaço e aumento da temperatura de uma ou mais articulações. A dor dura mais de seis semanas e começa antes dos 16 anos de idade Os sintomas variam conforme as articulações afetadas. As crianças podem ter dificuldades na escrita, a agarrar objetos (se houver inflamação das mãos), na marcha (se houver envolvimento dos membros inferiores) ou até dificuldade em mastigar (se a articulação temporomandibular estiver afetada). A AIJ pode ainda estar associada a inflamação dos olhos, que podem ficar vermelhos e doer, embora muitas vezes a inflamação do olho ocorre sem qualquer sintoma. Febre, inflamação dos tendões, manchas avermelhadas e descamativas na pele e ou couro cabeludo, aumento do tamanho dos gânglios linfáticos, perda de apetite e atraso na velocidade de crescimento são outras das manifestações típicas da AIJ. Pode também existir rigidez matinal que se caracteriza pela prisão de movimentos logo de manhã, principalmente ao acordar, melhorando com os movimentos ao longo do dia. A causa da AIJ é ainda desconhecida, mas sabe-se que há vários fatores genéticos e ambientais que parecem ter um papel relevante na suscetibilidade e evolução da doença. Apesar de algumas formas de AIJ terem um risco aumentado de doenças nos familiares, não são hereditárias, pelo que não se transmitem de pais para filhos. Categorias de AIJ Existem vários tipos de AIJ que são determinados pelo número e tipo de articulações envolvidas, pela presença de sintomas não-articulares associados e pelo comportamento da doença após seis meses de evolução. Forma oligoarticular – quando a doença afeta 4 ou menos articulações nos primeiros 6 meses de doença; se a doença continuar a afetar apenas 4 ou menos articulações chama-se AIJ Oligoarticular persistente, se evoluir para mais articulações envolvidas chama-se AIJ Oligoarticular estendida. Forma poliarticular – se a doença afeta 5 ou mais articulações nos primeiros seis meses de doença. Pode classificar-se em AIJ Poliarticular com fator reumatóide positivo, se houver fator reumatóide presente no soro ou AIJ Poliarticular com fator reumatóide negativo, se não tiver fator reumatoide presente no soro. Forma sistémica – associada a febre, fadiga, perda de peso, manchas na pele cor de salmão, aumento do tamanho do fígado ou do baço, inflamação do pericárdio ou da pleura e aumento dos gânglios linfáticos. Artrite psoriática – associada a psoríase ou se existem familiares em 1º grau com psoríase. Artrite relacionada com entesite – em que há inflamação nos locais de inserção dos tendões no osso (entesite), além da artrite. Atualmente existem vários medicamentos eficazes no tratamento das AIJ. O objetivo do tratamento é inibir completamente a inflamação das articulações e de outros órgãos, de modo a restaurar a função normal da criança. Se a inflamação não for controlada, podem surgir complicações como deformações articulares e osteoporose, entre outras. Recomendações de exercício físico As crianças com AIJ devem manter uma prática frequente de exercício físico, de modo a manterem a força muscular, flexibilidade e mobilidade articular, coordenação e resistência. Contudo, em alturas em que haja inflamação das articulações, esta prática deve ser condicionada às limitações das crianças. A natação ou o andar de triciclo ou de bicicleta devem ser os desportos mais praticados por quem sofre de AIJ, uma vez que o stress mecânico nas articulações provocado por estes desportos é mínimo ou inexistente. Como procurar ajuda A Associação Nacional de Doentes com Artrites e Reumatismos na Infância (ANDAI), em Lisboa, é uma das organizações a que pode recorrer para obter mais informação sobre a doença. O seu médico de família também o poderá reencaminhar para os serviços de saúde mais próximos da sua área de residência. Seja positivo e ajude o seu filho a viver melhor cada dia com a AIJ, com qualidade de vida e esperança num dia melhor. Sabia que… … As doenças reumáticas da infância podem surgir nos primeiros anos de vida. … As crianças com AIJ devem ser avaliadas de forma regular em Oftalmologia, dado que a doença se pode associar a inflamação ocular.

Quando as doenças reumáticas atingem os mais novos

Uma em cada mil crianças pode desenvolver Artrite Idiopática Juvenil, que causa inflamação nas articulações e que atinge em maior número as meninas. Saiba quais são os sinais de alerta e o que pode fazer para ajudar o seu filho ou a sua filha a viver com a doença.

Uma doença reumática crónica na criança ou no adolescente pode ser uma surpresa para os pais, para os amigos e para os professores.  Ao contrário do que se pensa, as doenças reumáticas da infância podem surgir muito cedo, inclusivamente mesmo antes do primeiro ano de vida. De entre as diversas doenças reumáticas crónicas existentes nas crianças, a mais frequente é a Artrite Idiopática Juvenil (AIJ), que atinge 1 em cada 1000 crianças em idade escolar.

A principal manifestação clínica é a artrite, que é caracterizada por dor, inchaço e aumento da temperatura de uma ou mais articulações. A dor dura mais de seis semanas e começa antes dos 16 anos de idade

Os sintomas variam conforme as articulações afetadas. As crianças podem ter dificuldades na escrita, a agarrar objetos (se houver inflamação das mãos), na marcha (se houver envolvimento dos membros inferiores) ou até dificuldade em mastigar (se a articulação temporomandibular estiver afetada).

A AIJ pode ainda estar associada a inflamação dos olhos, que podem ficar vermelhos e doer, embora muitas vezes a inflamação do olho ocorre sem qualquer sintoma.

Febre, inflamação dos tendões, manchas avermelhadas e descamativas na pele e ou couro cabeludo, aumento do tamanho dos gânglios linfáticos, perda de apetite e atraso na velocidade de crescimento são outras das manifestações típicas da AIJ.

Pode também existir rigidez matinal que se caracteriza pela prisão de movimentos logo de manhã, principalmente ao acordar, melhorando com os movimentos ao longo do dia.

A causa da AIJ é ainda desconhecida, mas sabe-se que há vários fatores genéticos e ambientais que parecem ter um papel relevante na suscetibilidade e evolução da doença.

Apesar de algumas formas de AIJ terem um risco aumentado de doenças nos familiares, não são hereditárias, pelo que não se transmitem de pais para filhos.

Categorias de AIJ  

Existem vários tipos de AIJ que são determinados pelo número e tipo de articulações envolvidas, pela presença de sintomas não-articulares associados e pelo comportamento da doença após seis meses de evolução.

Forma oligoarticular – quando a doença afeta 4 ou menos articulações nos primeiros 6 meses de doença; se a doença continuar a afetar apenas 4 ou menos articulações chama-se AIJ Oligoarticular persistente, se evoluir para mais articulações envolvidas chama-se AIJ Oligoarticular estendida.

Forma poliarticular – se a doença afeta 5 ou mais articulações nos primeiros seis meses de doença. Pode classificar-se em AIJ Poliarticular com fator reumatóide positivo, se houver fator reumatóide presente no soro ou AIJ Poliarticular com fator reumatóide negativo, se não tiver fator reumatoide presente no soro.

Forma sistémica – associada a febre, fadiga, perda de peso, manchas na pele cor de salmão, aumento do tamanho do fígado ou do baço, inflamação do pericárdio ou da pleura e aumento dos gânglios linfáticos.
Artrite psoriática – associada a psoríase ou se existem familiares em 1º grau com psoríase.
Artrite relacionada com entesite – em que há inflamação nos locais de inserção dos tendões no osso (entesite), além da artrite.

Atualmente existem vários medicamentos eficazes no tratamento das AIJ. O objetivo do tratamento é inibir completamente a inflamação das articulações e de outros órgãos, de modo a restaurar a função normal da criança. Se a inflamação não for controlada, podem surgir complicações como deformações articulares e osteoporose, entre outras.

Recomendações de exercício físico

As crianças com AIJ devem manter uma prática frequente de exercício físico, de modo a manterem a força muscular, flexibilidade e mobilidade articular, coordenação e resistência. Contudo, em alturas em que haja inflamação das articulações, esta prática deve ser condicionada às limitações das crianças.

A natação ou o andar de triciclo ou de bicicleta devem ser os desportos mais praticados por quem sofre de AIJ, uma vez que o stress mecânico nas articulações provocado por estes desportos é mínimo ou inexistente.

Como procurar ajuda

A Associação Nacional de Doentes com Artrites e Reumatismos na Infância (ANDAI), em Lisboa, é uma das organizações a que pode recorrer para obter mais informação sobre a doença. O seu médico de família também o poderá reencaminhar para os serviços de saúde mais próximos da sua área de residência.

Seja positivo e ajude o seu filho a viver melhor cada dia com a AIJ, com qualidade de vida e esperança num dia melhor.

Sabia que…

… As doenças reumáticas da infância podem surgir nos primeiros anos de vida.

… As crianças com AIJ devem ser avaliadas de forma regular em Oftalmologia, dado que a doença se pode associar a inflamação ocular.

Inserir Comentário